Prefeitura de Forquilha Apoia a Prática de Capoeira

DSC_0023

O projeto Capoeira nas escolas além de ser uma prática do esporte, resgata a cultura histórica, beneficia também o corpo e a mente. A prefeitura de Forquilha-CE, em parceria da secretaria de Educação e esporte tem apoiado e incentivado a prática da capoeira por jovens e adolescentes do município. As atividades estão sendo realizadas nas escolas municipais e em comunidades do interior.

O Projeto e do Programa Capoeira na Escola com mais de 2 anos e meio de funcionamento no município, já tem mais de 100 alunos praticando o esporte, sem pagar mensalidades pelas aulas.

Hoje a capoeira ganhou um perfil social, cultural e educacional. “para participa do projeto a criança dever está na sala” falou o professor Rivelino Rodrigues. A capoeira é uma luta, uma dança, uma arte popular que resistiu a todas as perseguições, do Império à República e que prevalece até hoje.

“Se estamos aqui é porque tem alguém por trás fazendo as coisas acontecerem e poucos são os gestores públicos que olham para a capoeira como instrumento de inclusão e ressocialização social, porém realizei o projeto e foi acatado pelo prefeito Gerlásio Loiola e vice Régis Prado, e a prova disso é que estamos aqui”, disse O contramestre de capoeira.

Hoje são vários os locais onde com o apoio da prefeitura , jovens se dedicam a aprender a arte da capoeira.

SAIBA MAIS SOBRE A CAPOEIRA

A capoeira é considerada atualmente um dos principais esportes nacionais. Surgiu entre os escravos como um grito de liberdade. Os negros da África, a maioria da região de Angola, foram trazidos ao Brasil para trabalhar nas lavouras de cana de açúcar como mão-de-obra escrava. Capoeiras eram áreas semi desmatadas onde os escravos treinavam seus golpes.

Quase acrobáticos e com aspecto de dança, a luta contribuiu para enganar os senhores de engenho, que permitiam a prática, julgando-a uma brincadeira dos escravos.
As rodas são ritmadas pelos toques de instrumentos e palmas dos capoeiristas.

O berimbau, que servia para dar ritmo ao jogo, também anunciava a chegada de um feitor, ou seja, a hora de transformar a luta em dança. Angola é o toque de abertura, lento, onde o mestre da roda, que toca o berimbau, inicia uma ladainha – saudação. Os capoeiristas ficam esperando ao pé do berimbau a indicação para entrar na roda.

 

VEJA O VÍDEO:

 

DSC_0004 DSC_0044 DSC_0053

Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *